Do discurso à prática | Maio/2017

Do discurso à prática | Maio/2017

29
0

Desde que o mundo é mundo e que político é político, se verifica uma enorme distância entre o discurso e a pratica destes, quer seja aqui ou na Cochinchina (atual Nam Ky, no extremo Sul do Vietnã).
Pois bem, olhando para o processo eleitoral americano, onde o voto dos delegados de partidos prevalece sobre o voto do eleitorado, como se viu na recente eleição de 2016, a candidata Hillary Clinton, obteve maioria do voto popular (mais de dois milhões de votos), mas perdeu para o candidato Donald Trump, no colégio eleitoral, que recebeu 306, dos 538 votos.
O que nos chamou atenção nesse processo é que o resultado foi democraticamente aceito, pela candidata Hillary, do partido Democrata, por mais que seja controverso o eleito Trump, do partido Republicano.
Diferentemente daqui, onde o candidato Aécio Neves (PSDB), derrotado por Dilma Rousseff, com ampla maioria do voto popular nas eleições de 2014, não aceitou o resultado. Dias após ao pleito contestou judicialmente o resultado, pedindo a cassação da chapa vencedora, ao invés de fazer uma oposição consistente, responsável, fiscalizando os atos do governo, o que se espera de toda oposição.
Mas, não foi isso que aconteceu e a parti daí, começaram os planos maquiavélicos para a derrubada do governo a qualquer preço pois, aqui o que importa é poder, o povo que se dane. Assim PSDB e PMDB, pai e mãe do golpe parlamentar, apadrinhados pelo DEM, apoiados por partidos fisiológicos e oportunistas, que compõem a sopa de letrinhas da nomenclatura partidária sem nenhum compromisso com o povo.
Logo vimos que estes são piores do que o PT, pois muitos desses compuseram a base dos governos petista e foi só a barca de Dilma vazar, os ratos pularam para a barca de Temer, que já naufraga deixando muitos atordoados, alguns já pulando de lado, preocupados com 2018, que se avizinha.
Mas o povo não esquecerá esses políticos que jogaram o país numa crise política, econômica, moral e ética, já mais vista, provocando uma divisão política na sociedade, enquanto na calada da noite tentam proteger, suas vantagens e privilégios em detrimento dos direitos do povo.
Em 2018, não vamos reeleger políticos que arruinaram o Brasil, sejam de partido A ou B.
Fiquem com Deus até o próximo.

Luciano Moreira
Jornalista – DRT/CE Nº 3411
ACEJI Matricula 1593
jornalexpressoce@gmail.com

Comments

comments