COMPARTILHAR

O PT comparou o ex-presidente Lula ao sul-africano Nelson Mandela e ao ex-presidente Getúlio Vargas, que cometeu suicídio em 1954.

"Nelson Mandela e Getúlio Vargas […] dois casos de injustiça que causaram destruição irreparável, não podemos deixar o mesmo acontecer com Lula e com o Brasil de hoje: Lula livre!", escreveu o partido em sua conta no Twitter.



+ Lula: 'Tem gente que acha que eu deveria fugir. Não. Vou para casa'

O tweet foi postado pouco depois do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ter negado um recurso impetrado pela defesa de Lula para mantê-lo em liberdade.



O STJ negou um pedido de habeas corpus que pedia que o ex-presidente para permaneça em liberdade enquanto não se esgotam todos os recursos possíveis, defendendo a prerrogativa de que um condenado passe a cumprir pena tão logo se esgotem todos os recursos em segunda instância.

A história já nos mostrou o que a injustiça contra lideranças populares pode causar para a sociedade, basta ver os casos de Getúlio e Mandela. #LulaLivre

— PT Brasil (@ptbrasil) 6 de março de 2018

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (segunda instância) responderá em breve aos advogados de Lula sobre um recurso da defesa e, nesse momento, o ex-mandatário poderá ser forçado a cumprir a sentença de 12 anos e um mês de prisão por crimes de corrupção, embora tenha ainda uma última opção de recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Lula e seu partido consideram que o ex-presidente está sendo vítima de uma perseguição midiática e judicial que tenta impedi-lo de disputar as eleições de outubro, para as quais ele aparece como favorito.

Mandela, símbolo da luta contra o apartheid na África do Sul, ficou preso por 27 anos, e Vargas cometeu suicídio no Palácio do Catete, no Rio de Janeiro, depois de semanas de fortes pressões dos militares e da imprensa para que deixasse o cargo. Com informações da Sputnik News.

Nelson Mandela e Getúlio Vargas…2 casos de injustiça que geraram destruição irreparável. Não podemos deixar acontecer o mesmo com Lula e com o Brasil de hoje! #LulaLivre

— PT Brasil (@ptbrasil) 6 de março de 2018