COMPARTILHAR

O prefeito de Florença, Dario Nardella, do Partido Democrático (PD), foi forçado a deixar uma manifestação organizada nesta terça-feira (7) contra a morte do senegalês assassinado por um idoso. Nardella foi alvo de um cuspe no rosto e de diversos insultos por parte de um manifestante.

O protesto contra a morte do imigrante Idy Diene, de 53 anos, ocorrida nesta segunda-feira (5), teve a participação de cerca de 300 pessoas e foi realizada na ponte de Vespucci, em Florença.



No ato, apesar de tentar dialogar com os manifestantes, Nardella foi pressionado por muitos imigrantes e italianos pertencentes a centros sociais de Florença, que chegaram a chamar o prefeito da cidade de "racista".

No meio da confusão, Nardella foi atingido por um cuspe no rosto. O autor do gesto foi um italiano, que é membro de um centro social. O rapaz foi identificado e denunciado por "resistência e indignação a um funcionário público".



Embora Nardella tenha sido convidado a participar da procissão pela própria associação que organizou o cortejo, o clima no local gerou um caos, o que fez o prefeito ir embora para evitar confusões.

"Eu vou embora porque não quero me tornar um elemento de provocação, não podemos aceitar violência e insultos, a cidade tem o dever de defender os princípios da democracia e da convivência civil", disse Nardella.

"Compreendemos a ira com a morte de um amigo, imediatamente a cidade expressou nossas condolências pelo incidente, mas não podemos aceitar a violência", acrescentou.

Durante a manifestação, os imigrantes também fizeram críticas a cultura do racismo na Itália e ao postulante à cadeira de primeiro-ministro do país, Matteo Salvini, do partido ultranacionalista Liga Norte.

Na ponte de Vespucci, um italiano identificado como Roberto Pirrone, de 65 anos, desistiu de se suicidar e resolveu atirar aleatoriamente nas pessoas que passavam no local, e um dos disparos atingiu Diene, que não resistiu aos ferimentos. Apesar disso, as autoridades descartam que a morte do senegalês tenha sido por motivos raciais. Com informações da ANSA.