COMPARTILHAR

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga questões relacionadas às Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), instalada na terça-feira (6), deve analisar, a princípio, os gastos da Secretaria estadual de Segurança (Seseg) com a iniciativa, que inclui recursos doados pelo empresário Eike Batista e pela Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

Segundo apurado pelo Extra, os membros da comissão também pretendem verificar como foi realizada a compra dos contêineres onde funcionam muitas das 38 UPPs da Região Metropolitana do estado. Deve ser investigado se a aquisição foi usada como meio de pagamento de propina, como já apontado pela Operação Lava Jato.



+ Mais da metade da população diz que Lei Maria da Penha protege pouco

Ainda de acordo com a publicação, a comissão deve solicitar ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) auditorias na locação de veículos para a Polícia Militar e prestação de contas da Secretaria estadual de Segurança (Seseg).



A comissão tem um prazo de 90 dias, prorrogáveis por mais 60, para concluir os trabalhos. Eles se reúnem uma vez por semana, todas as terças-feiras, às 13h. O presidente da CPI é o deputado estadual Bruno Dauaire. Integram o grupo os deputados Tia Ju (PRB), como vice-presidente; o relator Iranildo Campos (PSD); Zaqueu Teixeira (PDT); e Coronel Jairo (PMDB). Os suplentes são Martha Rocha (PDT), Paulo Ramos (PSOL) e Marcus Muller (PHS).