COMPARTILHAR

O ex-presidente da Colômbia, Andrés Pastrana, e o ex-presidente da Bolívia, Jorge Quiroga, tiveram sua entrada negada em Cuba nesta quarta-feira (7). Eles estavam na ilha caribenha para receber o prêmio Oswaldo Payá de um grupo dissidente local.

Pastrana e Quiroga representavam a Iniciativa Democrática da Espanha e das Américas (IDEA), grupo que reúne políticos de direita da América Latina, e foram barrados no aeroporto da capital Havana.



"A ditadura de Cuba nos deportou hoje da Ilha por defender os princípios democráticos da região. Nossa luta continua", escreveu Pastrana no Twitter, em foto acompanhado de Quiroga.

O ministério das Relações Exteriores de Cuba não respondeu um pedido de comentário da agência de notícias Reuters. O jornal estatal Granma afirmou em editorial que a IDEA busca sabotar os "projetos progressistas" da América Latina.



La dictadura de Cuba nos deportó hoy de la Isla por defender los principios democráticos de la región. Nuestra lucha continúa. pic.twitter.com/nPCjrEm5ne

— Andrés Pastrana A (@AndresPastrana_) 7 de março de 2018

"O governo colombiano lamenta que este tipo de incidentes aconteça com colombianos que tenham sido amigos de países próximos dos nossos", afirmou a chancelaria colombiana em comunicado.

O presidente da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, também foi convidado para a cerimônia do prêmio Oswaldo Payá, mas sua entrada foi barrada. Com informações do Sputnik Brasil.