COMPARTILHAR

A assessora de Marielle Franco teria controlado o carro após a vereadora e o motorista do veículo, Anderson Pedro Gomes, morrerem baleados. O relato foi dado por um ciclista que passava no local no momento do ataque – e que preferiu não ser identificado.

"Ela tremia muito, estava muito abalada. O pouco que ela conseguiu conversar foi dizer que não fazia sentido, que todos estavam conversando no carro, então não notaram se estavam ou não sendo seguidos. Ela estava muito suja de sangue e disse, também, que precisou pegar o volante do carro para encostar o veículo depois que o motorista foi baleado", revelou.



De acordo com o jornal 'O Globo', testemunhas que passavam pelo local não ouviram barulhos de tiros na noite passada.

"Eu saí de dentro do bar para tomar um ar na calçada e ouvi um garçom falando que tinham matado uma pessoa na rua ao lado. Pouco depois chegou um policial perguntando se alguém tinha giz porque ele precisava riscar o chão pra isolar a área. Não sei se tinham algum silenciador, mas me chamou a atenção que foi algo silencioso, não ouvimos", relata uma jornalista, que não quis ser identificada.



A vereadora e o motorista morreram por volta das 21h30m, após participar do evento "Jovens Negras Movendo as Estruturas", na Lapa. A assessora foi ferida por estilhaços e levada para o hospital Municipal Souza Aguiar, localizado no Centro da capital.

Leia também: 'Quantos mais vão precisar morrer?', posta Marielle na véspera do crime