COMPARTILHAR

Uma professora que participou dos protestos contra a reforma da Previdência municipal em São Paulo na tarde desta quarta-feira (14) afirmou que foi agredida com golpes de cassetete no rosto por um agente da Guarda Civil Metropolitana. Luciana Xavier, 42 anos, afirmou ainda que teve o nariz quebrado e terá de passar por cirurgia. A infrmação foi confirmada por testemunhas, segundo o UOL.

A docente estava na sessão da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara de Vereadores no momento da confusão. Pelo menos mais cinco pessoas teriam ficado feridas no confronto entre a GCM e manifestantes.



Luciana chegou a ser atendida no ambulatório da Câmara e, depois, foi levada ao Hospital do Servidor Público, na zona sul da capital paulista.

+ 93% das escolas municipais de SP aderem à greve contra reforma de Doria



Fico agradecida. Eu vou passar por cirurgia amanhã, preciso retornar", disse, de saída do hospital e a caminho de casa. "Eles quebraram o meu nariz. Eles quebraram o meu nariz", afirmou.

Em entrevista ao site, o líder do governo na Câmara, vereador João Jorge (PSDB), defendeu o uso da força policial no caso. "Tem que usar a força, senão, apenas um lado vai chegando e agredindo as pessoas, que poderiam sofrer alguma agressão física. A segurança pública tem que fazer valer o seu trabalho; por isso ela trabalha, por isso que ela ganha".