COMPARTILHAR

A Polícia Civil estuda dados de cinco empresas de telefonia que operam na região central do Rio, local onde a vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes foram assassinados a tiros, na última quarta-feira (15). Ao todo, informações coletadas pelos investigadores pertencem a 26 antenas de celular.

De acordo com o G1, agentes estudam sinais de celulares usados no percurso feito por Marielle, desde sua saída do evento "Jovens Negras Movendo as Estruturas", que ocorria na Casa das Pretas, espaço de convivência localizado na Lapa.



Segundo o jornal 'Extra', a polícia acredita que ao menos dois veículos estão envolvidos no crime. Imagens de segurança da Região Central do Rio sugerem que o carro da vereadora foi seguido por dois carros da cor prata. O atirador estaria em um Cobalt prata com a placa clonada. Já o Renault Logan teria dado cobertura ao crime.

Leia também: Segurança do Rio pode receber até R$ 1,5 bilhões, diz Maia