COMPARTILHAR

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de pautar o habeas corpus do ex-presidente Lula para esta quinta-feira (22) revoltou o ex-ministro Antonio Palocci, preso na superintendência da Polícia Federal, em Curitiba (PR), há quase um ano e meio.

"O Supremo criou duas categorias de cidadão: a que impetra um habeas corpus preventivo e fura a fila e a outra de quem está preso há um ano e quatro meses a espera do julgamento do mesmo recurso pelo STF", disse o ex-ministro, hoje pela manhã, aos seus advogados.



+ Lula: 'Vou até o inferno para provar que culpados são os que me julgam'

+ Relembre a cronologia do processo de Lula no caso do triplex no Guarujá



De acordo com informações de O Globo, ele tem acompanhado a situação por meio da TV que existe em uma das celas. Também nesta quinta, o advogado de Palocci, Alessandro Silverio, apresentou nova petição solicitando que a presidente da Corte, Carmén Lúcia, paute o pedido de liberdade do ex-ministro.

"Nada justifica julgar um habeas corpus preventivo, por mais eminente que seja o paciente, em detrimento do presente habeas corpus, o qual foi impetrado muito antes do habeas corpus que V. Exa. optou por julgar na sessão de hoje, agravando a coação ilegal a que se encontra submetido Antônio Palocci Filho".