COMPARTILHAR

O PP indicou o presidente da Caixa, Gilberto Occhi, para assumir o Ministério da Saúde. O presidente Michel Temer ainda não tomou a decisão sobre a sua nomeação, mas deve aceitar a sugestão.

Ele se reunirá com o presidente nacional do PP, Ciro Nogueira, na próxima terça-feira (27), para definir a indicação. Occhi é próximo de Nogueira e já foi ministro da Integração e das Cidades.



+ STF adia julgamento, mas concede liminar que impede prisão de Lula

Além de Occhi, que é o favorito, outros dois nomes foram indicados pelo PP, mas mantidos em sigilo pela sigla.



Em janeiro, uma auditoria independente contratada pela Caixa sugeriu que fosse apurada a suspeita de que Occhi teria pedido propina para repassar para o PP. A acusação foi feita pelo corretor de valores Lúcio Funaro.

Em depoimento à Justiça Federal, ele afirmou que Occhi tinha uma "meta de propina" para repassar ao partido. A acusação é refutada pelo presidente da Caixa.

Além do PP, o PR indicou para o comando do Ministério dos Transportes o diretor-geral do DNIT, Valter Casimiro. O nome também não enfrenta resistência no Palácio do Planalto.

Para definir a indicação, Temer terá encontro com o ex-deputado federal Valdemar Costa Neto (PR) na próxima quarta-feira (28).

Na próxima semana, como antecipou a Folha de S.Paulo, os ministros Ricardo Barros (Saúde) e Maurício Quintella (Transportes) deixarão os cargos para a disputa eleitoral, iniciando a reforma ministerial.

Ao todo, mais oito ministros deixarão os comandos das pastas até 7 de abril, prazo para desincompatibilização para a disputa eleitoral. Com informações da Folhapress.