COMPARTILHAR

A Justiça espanhola ordenou nesta sexta-feira (23) a detenção preventiva de cinco líderes catalães envolvidos no processo separatista, incluindo Jordi Turull, que esperava tomar posse como presidente regional no dia seguinte -ele chegou à corte às lágrimas.

A ordem foi dada horas depois de o Supremo Tribunal anunciar a acusação formal por rebelião de 13 dos principais separatistas, entre eles Turull, o ex-presidente Carles Puigdemont, o ex-vice-presidente Oriol Junqueras e a ex-presidente do Parlamento Carme Forcadell. Outros independentistas foram acusados por crimes como uso indevido de verba e desobediência. São 25 os acusados, no total.



+ Mais de 130 baleias encalham e morrem em praia da Austrália

As prisões, sem direito a fiança, foram justificadas diante do risco de fuga dos acusados. Puigdemont, por exemplo, já está foragido na Bélgica. Marta Rovira, secretária-geral do partido separatista Esquerda Republicana, anunciou nesta sexta sua própria fuga à Suíça. A condenação por rebelião pode levar a até 30 anos de prisão.



As decisões golpeiam em definitivo o processo separatista e consolidam a vitória do premiê espanhol, Mariano Rajoy, com a judicialização e a criminalização dos líderes catalães.

A crise independentista, exacerbada em outubro passado com um plebiscito e uma declaração ilegal de secessão, é o maior desafio político enfrentado pela Espanha em sua história moderna.

"Façam o que quiserem conosco", afirmou o ex-ministro catalão Josep Rull, um dos 13 acusados de rebelião. "A causa da Catalunha sobreviverá, porque somos milhões os que acreditamos nela". O grupo separatista Ómnium Cultural convocou manifestações em Barcelona, capital catalã, diante do que descreveu como uma "repressão intolerável".

Já o primeiro-ministro Rajoy afirmou que segue "aberto ao diálogo" com os catalães e, comentando a fuga da separatista Rovira à Suíça, disse que "quando a Justiça nos chama, precisamos comparecer".

'PROCÉS'

O processo independentista -conhecido como "procés" em catalão- remonta a 2012, quando o então presidente regional Artur Mas deu largada às movimentações para separar o território do restante do país.

A Catalunha é parte da Espanha, mas tem uma história e língua particulares, além de se ressentir de contribuir mais aos cofres públicos do que recebe em repasses. A região corresponde a 20% de todo o PIB espanhol, estimado em US$ 1,2 trilhão (ou R$ 4 trilhões).

O plebiscito de 1° de outubro passado, considerado ilegal por Madri, teve 43% de participação e 90% dos votos a favor da separação. Quando mais tarde legisladores declararam a secessão e a formação de uma república, o governo central dissolveu a administração regional e convocou as eleições.

Separatistas voltaram a obter a maioria parlamentar no pleito antecipado de dezembro, em uma aliança de três partidos, mas desde então não entraram em acordo para formar um governo.

Eles inicialmente indicaram Puigdemont para presidente, mas sua fuga à Bélgica impossibilitou a posse. Em seguida, quiseram que um político detido ocupasse o cargo, algo também inviável. A terceira opção era justamente Turull, cuja detenção preventiva foi declarada na sexta-feira.

O imbróglio destes últimos meses tem feito despencar o apoio popular pela independência da Catalunha. Uma pesquisa do Centro de Estudos de Opinião do governo catalão mostra que o entusiasmo por sua república caiu oito pontos percentuais nos últimos meses. Eram 48% em outubro, reduzidos a apenas 40% em fevereiro. Com informações da Folhapress.