COMPARTILHAR

O presidente afastado da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), Jorge Picciani (MDB), ficou nove dias em ' isolamento preventivo' – uma espécie de solitária – entre os dias 8 e 16 de março.

Segundo a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), a decisão foi tomada após Picciani ter sido flagrado, durante uma inspeção, com um dinheiro acima do valor permitido dentro de prisões. Segundo a lei, detentos só podem manter até R$ 95,40 dentro de presídios.



Picciani está preso desde novembro por suposto envolvimento em casos de propina. A Seap informou que ele permanece em uma cela separada dos outros detentos da cadeia José Frederico Marques, localizada em Benfica. Na penitenciária, Picciani não pode receber visitas.

Leia também: Em entrevista, Temer assume que vai disputar eleição