COMPARTILHAR

A transição política no Peru se complicou nesta sexta-feira (23), após o presidente demissionário Pedro Pablo Kuczynski ter ameaçado retirar sua denúncia caso o Congresso, dominado pela oposição, insista em declarar a vacância do cargo e qualificá-lo como "traidor da pátria".

"É inaceitável a proposta de resolução legislativa que tenta apresentar uma renúncia como vacância. Se for assim, retiro minha carta [de renúncia] e me submeto ao processo regular de vacância, onde exercerei meu direito de defesa", advertiu o mandatário no Twitter.



Em sua carta de renúncia, Kuczynski justifica a decisão por um suposto "estado de ingovernabilidade", o que para a oposição é uma desculpa para encobrir as verdadeiras razões para sua demissão: as acusações de que ele recebera propina da Odebrecht.

O novo capítulo da crise peruana acontece a poucas horas da posse do vice-presidente do país e embaixador no Canadá, Martín Vizcarra, no lugar de Kuczynski. Aos 55 anos, ele completará o mandato até 2021 e já foi governador de Moquegua e ministro dos Transportes e Comunicações.



Ao assumir a Presidência, já terá importantes compromissos, como a oitava Cúpula das Américas, da qual participará Donald Trump. Com informações da ANSA.