COMPARTILHAR

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva concedeu entrevista à Rádio Super Condá AM 610, de Chapecó (SC), nesta sexta-feira (23), um dia depois de os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidirem julgar o habeas corpus que tenta impedir a sua prisão, após condenação em segunda instância.

O petista segue com sua caravana, pela região Sul do país, a caminho do município de Ronda Alta (RS).



Ontem, o Supremo marcou a análise do recurso impetrado pela defesa do petista para o próximo dia 4, depois da Páscoa. No entanto, concedeu liminar proibindo que o ex-presidente seja preso até lá.

"Eu estou pedindo a Deus que a Suprema Corte analise o mérito do processo, analise as provas, analise as acusações, analise a defesa, porque se eles tiverem meio crime contra mim, eu estou fora da política", disse o ex-presidente na entrevista de hoje.



+ Intervenção no Rio não ajuda Temer, aponta pesquisa Ipsos

+ Suposto operador do PSDB ligado a Serra é denunciado na Lava Jato

Os desembargadores da 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), formada por Gebran Neto, Victor Luiz dos Santos Laus e Leandro Paulsen, julgam na próxima segunda-feira (26) os últimos recursos do petista na Corte. São embargos de declaração, que não têm o poder de mudar a sentença, mas apenas esclarecer alguns pontos. Sobre este recurso, o Ministério Público Federal (MPF) já se pronunciou: recomendou a negação e a prisão do ex-presidente.

Se não fosse pela liminar do STF, e caso o TRF-4 decidisse negar os embargos, o juiz Sérgio Moro poderia ordenar a prisão de Lula logo em seguida, com base no entendimento do Supremo datado de 2016. Agora, os ministros voltarão a discutir o assunto.

"Eu espero que Suprema Corte faça a correção necessária, porque ela é a última instância, e ela não pode permitir que nenhum brasileiro seja vítima da insanidade de algumas pessoas", destacou Lula.

Questionado sobre se o seu nome seria o único capaz de unir a esquerda, ele afirmou não ter "domínio" sobre isso. Nesses anos todos, o PT teve a primazia de ter uma boa relação com os outros partidos. E eu acho extraordinário que o PCdoB resolva lançar candidato, que o Boulos seja candidato pelo PSOL, porque eu acho que é preciso aparecer gente nova na política brasileira. O que é importante e que me dá prazer é que, com toda divergência que há na esquerda, se você pegar a somatória dos votos do Ciro, da Marina, nós temos mais de 60% dos votos do Brasil. Isso significa que a possibilidade de a esquerda voltar ao poder é muito grande", avaliou Lula.