COMPARTILHAR

A Suprema Corte da Índia rejeitou uma ação que pedia novas investigações sobre o assassinato do líder pacifista Mahatma Gandhi, nesta quarta-feira (28).

Gandhi foi morto a tiros em 30 de janeiro de 1948, pelo nacionalista hindu Nathuram Vinayak Godse. No entanto, alguns grupos de hindus de direita, como o Abhinav Bharat, acreditam que Godse foi apenas um bode expiatório para acobertar os verdadeiros autores do crime.



+ Le Pen é expulsa de marcha contra assassinato de judia

Um dos pesquisadores da organização, Pankaj Phadnis, solicitou uma nova investigação a respeito do homicídio em outubro de 2017.



No entanto, os juízes S. A. Bobde e L. Nageswara Rao ouviram a opinião do advogado Amarinder Sharan – que estudou o caso durante meses e avaliou material "inédito" apresentado por Phadnis – e negaram a reabertura do caso, encerrando-o definitivamente.

De acordo com Phadnis, Gandhi não foi assassinado com a terceira bala que o atingira, mas sim com uma quarta, cujo autor não seria Godse. Com informações da ANSA.