COMPARTILHAR

Áudios obtidos pela Folha de S.Paulo sugerem que a ex-diretora do departamento de iluminação da gestão João Doria (PSDB) tentou ocultar a falta de manutenção de um fio da prefeitura que pode ter causado a morte de um rapaz no Ipiranga, na zona sul, em 2017.

Em um dos trechos, Denise Abreu, então chefe do Ilume, indica que a versão do episódio a ser divulgada deveria ser uma farsa.



O chapeiro Júlio Lima Santos, 21, morreu em novembro após encostar em um poste semafórico na esquina das ruas Silva Bueno e Lima e Silva em uma noite chuvosa.

Segundo as gravações, a então diretora tentava omitir que aquele equipamento de iluminação estava havia ao menos 30 anos sem manutenção e tinha fios desencapados.



O poste, segundo testemunhas, estava eletrificado por um fio de energia solto. A versão é confirmada nos áudios.

Na conversa, um dos técnicos dá a entender que um fio desencapado encostou no poste semafórico onde a vítima se apoiou, podendo ter causado a descarga elétrica.

Procurada, a Prefeitura de São Paulo informou que colabora com as autoridades policiais a quem compete esclarecer as causas da morte.

"Como se foi deixando um negócio que tem mais de 30 anos sem manutenção? É óbvio que esse fio vai desencapar", diz Denise, no áudio, que registra uma reunião entre ela e dois assessores para decidir o conteúdo da nota que o órgão enviaria à imprensa para explicar o acidente.

"Não vou colocar que a placa [que estava acoplada ao poste] foi instalada antes ou depois [do fio], cara. Essa referência é que fode com a gente. 'A placa foi instalada depois', ok? Como é que você sabe que foi depois? Aí você vai dizer 'porque faz 30 anos que eu não uso esse fio'. Aí eu te digo: 'Se faz 30 anos e é obsoleto, por que você não fez a troca? Como você deixou um fio da sua casa correr risco de ficar nas intempéries durante 30 anos e não toma providências?", afirma.

GRAVAÇÕES

A conversa foi gravada pela então secretária de Denise, Cristina Chaud Carvalho.

A ex-diretora foi demitida por Doria na última quarta-feira (21), após a divulgação de outras gravações, também feitas por Chaud, que indicam uma suposta fraude na PPP de iluminação pública de São Paulo, na qual ela mostraria sua preferência pela FM Rodrigues, vencedora do contrato bilionário da cidade.

Um dos dois assessores com quem Denise conversa na gravação sobre o garoto eletrocutado faz parte da comissão de licitação da PPP.

O advogado da ex-diretora, Roberto Podval, classificou o episódio do vazamento dos áudios como lamentável.

"As gravações clandestinas de uma secretária com seus colegas de trabalho bem demonstram o caráter de quem gravou", disse em nota.

Testemunhas disseram que a vítima do choque elétrico no Ipiranga chegou a ser socorrida, mas não resistiu aos ferimentos provocados pela forte descarga elétrica e morreu cerca de 20 minutos depois.

Em depoimento à polícia, a mulher da vítima, a manicure Larissa dos Santos Oliveira, 27, afirmou que o marido e ela são de Luzilândia, no Piauí.

Ele chegou a São Paulo em dezembro de 2016, afirmou. Os dois estavam juntos havia sete anos. O casal tinha planos de ter filhos e juntar dinheiro para comprar uma casa na terra natal.

'ISSO É UMA FARSA'

Em um trecho, Denise chama um dos assessores de "burro demais" por não ter entendido que a discussão se tratava de uma tentativa para ocultar a verdade.

Quando um dos assessores diz que o Ilume não enviou representantes à delegacia, Denise insiste em incluir a informação falsa de que membros do órgão foram ao local para ver o boletim de ocorrência.

"Isso é uma farsa [som de que um papel sendo sacudido]. Faz parte do script da farsa que você descobriu o BO [boletim de ocorrência] como? Você chegou ao local para fazer a perícia e alguém te disse: 'Leia o boletim de ocorrência'. E aí você tomou conhecimento do que estava no BO. Beleza? Essa é a cena do filme", diz a então diretora.

Em outro trecho, ela considera a possibilidade de jogar a culpa da morte na FM Rodrigues, concessionária que opera a rede de luz da cidade.

Ela pede que o nome do departamento de iluminação seja retirado do depoimento e diz que, "se tudo der errado", vai jogar a culpa na empresa.

"Se eu já disser que o fio é do Ilume, não é da FM. Então, é o fio da iluminação pública. Aí, em um momento vão dizer 'qual é o dono do fio?'", ela afirma. "FM Rodrigues, ela que instala os fios", responde o assessor. Com informações da Folhapress.