COMPARTILHAR

Familiares da menina Emilly Caetano, morta com tiro disparado por um policial militar durante abordagem na Zona Leste de Teresina, entrou com pedido de indenização de cerca de R$ 5 milhões por danos morais e materiais ao estado.

A família argumenta que o estado do Piauí foi o responsável pela morte da garota, por ter permitido que o soldado Aldo Luís Barbosa Dornel mesmo tendo reprovado no exame psicológico continuava na corporação, armado, nas ruas e em contato com a população.



De acordo com o G1, a petição foi encaminhada para o 2º Vara dos Feitos da Fazenda Pública.

CRIME



Emilly foi assassinada com dois tiros nas costas durante uma abordagem de policiais do 5º Batalhão da Polícia Militar na noite de Natal. Os pais da menina também foram atingidos, mas sobreviveram.

Segundo o inquérito da Polícia Civil, o soldado Aldo Barbosa Dornel foi indiciado por homicídio doloso, tentativa de homicídio e fraude processual e o cabo Francisco Venício Alves por fraude processual. Aldo continua preso e Francisco Venício foi solto.