COMPARTILHAR

A médica Maria Alice Pulga estava com o grupo de turistas que foi atropelado por uma lancha em Ilha Grande, Angra dos Reis (RJ), nessa sexta-feira (30). Ela prestou os primeiros socorros às vítimas do acidente que matou duas pessoas e deixou outras duas feridas e relatou os momentos de desespero: "em uma fração de segundo que a lancha passou por nós, fazendo uma onda, seguida por gritaria. A água ficou vermelha".

O grupo de 30 turistas estava no mar com boias. A área é restrita a escunas, que ficam atracadas enquanto os banhistas nadam ao redor.



A médica de São José dos Campos, interior de São Paulo, contou ao G1 que estava na água com duas amigas quando viu a lancha se aproximando em alta velocidade. Ela recuou, mesmo achando que o piloto faria o desvio. As amigas foram atingidas.

"Na hora eu vi que a lancha vinha em nossa direção, mas você nunca pensa que o piloto não vai desviar. Mesmo assim eu recuei levemente, então foi em uma fração de segundo que a lancha passou por nós, fazendo uma onda, seguida por gritaria. A água ficou vermelha de sangue", contou ao site.



+ Piloto de lancha que matou 2 em Angra é autuado por homicídio e lesão

As amigas de Maria Alice, Natasha de Oliveira e Camila Précoma, sobreviveram após serem atingidas nos pés. "As pessoas gritavam e choravam. Na hora saímos da água e comecei a tentar estancar o sangue do pé da Natasha. A Camila, ferida, já estava na embarcação. Não consegui perceber a gravidade do ferimento da Walquiria. Ela estava sendo retirada da água pelos nossos amigos. Ela sofreu um corte profundo na parte posterior da coxa", contou. Walquiria morreu durante o resgate.

O carioca Alexandre da Silva Leite também faleceu no local.