COMPARTILHAR

Na manhã deste sábado (31), a prefeitura de Boa Vista, em Roraima, começou a fechar a praça Simón Bolivar, na zona Oeste da cidade, onde vivem cerca de 600 refugiados venezuelanos.

Um agente que estava na praça enquanto era realizado o isolamento informou ao G1 que a prefeitura colocará guardas municipais em um portão para controlar a entrada e saída de pessoas no local.



De acordo com a publicação, as pessoas alojadas na praça permanecerão por lá até que sejam levadas para um abrigo. Quem chegar a Boa Vista a partir de agora não poderá mais se instalar no local. Estes imigrantes serão orientados a procurarem um dos abrigos da cidade.

+ Atraso de 14 anos de trem para Cumbica é mentira, diz Alckmin



Desde 2015, milhares de venezuelanos chegam a Roraima. Nos primeiros dias deste ano, chegaram 18 mil imigrantes ao local. A prefeitura estima que 40 mil imigrantes vivem na capital.

Em nota à Rede Amazônica Roraima, a Prefeitura de Boa Vista informou que o isolamento da praça já estava previsto e que o Exército fará o realocamento das famílias nos abrigos.

A capital de Roraima tem quatro abrigos, sendo que cerca de 600 pessoas estão no abrigo do Jardim Floresta, 700 no do Pintolândia, que é destinado somente a indígenas venezuelanos, 600 no Tancredo Neves e 250 no da ONG Fraternidade Sem Fronteiras.