COMPARTILHAR

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai ao Rio de Janeiro, nesta segunda-feira (2), para participar de ato no Circo Voador, a partir das 18 horas, com o propósito de defender a sua candidatura nas eleições de outubro.

A manifestação, convocada pelo PT, também servirá para lançar o ex-ministro Celso Amorim ao governo do estado. Nas gestões de Dilma Rousseff e de Lula, Amorim esteve à frente das pastas da Defesa e das Relações Exteriores.



A viagem para o Rio, além de ser a primeira após os ataques sofridos pela caravana de Lula no Sul do país, também abre a agenda de uma semana decisiva, quando os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) julgarão, na próxima quarta-feira (4), habeas corpus que tenta evitar a prisão do petista, após condenação em segunda instância.

+ 'Meu voto já está pronto', diz Fachin sobre habeas corpus de Lula



Lula teve os embargos de declaração negados pela 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), no dia 26 de março, encerrando a fase de recursos na Corte.

O TRF-4 também revisou, em janeiro, a pena imposta ao petista pelo juiz Sérgio Moro, e ainda aumentou a sentença contra ele, para 12 anos e um mês de prisão, pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, no caso do triplex do Guarujá (SP).

No habeas corpus que está no STF, os advogados de Lula pedem que ele só seja preso quando o processo transitar em julgado, ou seja, quando não couber recurso em mais nenhuma instância da Justiça. Depois do TRF-4, ainda há possibilidade de recorrer ao STF e STJ.

Esquerda

No ato de hoje, Lula contará com a presença de lideranças petistas, além de nomes de outros partidos de esquerda, a exemplo de Marcelo Freixo e Guilherme Boulos, do PSOL, e de Manuela d’Ávila, do PCdoB.

O evento ainda marcará o lançamento do livro A Verdade Vencerá – O povo sabe por que me condenam no Rio. Publicado pela editora Boitempo, o material traz entrevistas feitas com o ex-presidente pelos jornalistas Juca Kfouri e Maria Inês Nassif, pelo professor de relações internacionais Gilberto Maringoni, e pela editora Ivana Jinkings. Em mais de 200 páginas, o petista fala sobre os bastidores políticos dos últimos anos, as eleições de 2018, e sobre o futuro.