COMPARTILHAR

O governo da Turquia ordenou, nesta segunda-feira (2), a prisão do clérigo islâmico Fethullah Gulen, juntamente com sete membros da organização terrorista Movimento Gülen – sobre o assassinato do embaixador russo Andrey Karlov, assassinado em 2016, informou o jornal Yeni Safak.

De acordo com o jornal, os principais membros do Movimento Gülen, Serif Ali Tekalan e Emre Uslu Gulen, também estão entre os que podem ser presos.



O ex-embaixador russo na Turquia, Andrei Karlov, foi baleado por um oficial da polícia turco, Mevlut Mert Altintas, em 19 de dezembro de 2016, na abertura da exposição de galeria de arte "Rússia de Kaliningrado a Kamchatka através dos olhos de um viajante". O atacante foi morto no local pela polícia.

+ Na prisão, Puigdemont pede a catalães: 'Não podemos baixar a guarda'



Embora a investigação ainda esteja em andamento, o lado turco tem expressado repetidas suspeitas de que o movimento Gulen, considerado por Ancara como uma organização terrorista e acusado pelas autoridades de planejar a tentativa fracassada de golpe de 2016 na Turquia, está ligado ao ataque.

Além do caso de Karlov, a Turquia acusa Gulen de uma tentativa de golpe que ocorreu em julho de 2016. O movimento foi rapidamente reprimido pelas forças do governo, mas mais de 240 pessoas foram mortas e cerca de 2.000 ficaram feridas.

Gulen, que mora no estado americano da Pensilvânia desde 1999 negou veementemente ter desempenhado qualquer papel no incidente. Os partidários dele pediram uma investigação internacional. Desde julho de 2016, Ancara prendeu milhares de funcionários públicos, militares, educadores, ativistas e jornalistas por suspeita de ligações com Gulen e seu movimento. Com informações da Sputnik News Brasil.