COMPARTILHAR

Em um pequeno povoado venezuelano vive a legendária mulher Rafaela Baroni. Essa profetisa, obstetra, escultora, poeta e enfermeira conseguiu fazer o impossível — ressuscitar-se duas vezes da morte. A Sputnik falou com Baroni sobre suas incríveis experiências.

Na pequena cidade de Betijoque, dificilmente alguém não conheça seu nome. Os jornalistas da Sputnik Mundo conseguiram facilmente encontrar a casa da mulher para entrevistá-la sobre sua experiência de renascer milagrosamente, e também sobre sua vida e arte, e até a respeito do antigo líder venezuelano, Hugo Chávez.



Primeira morte

Pela primeira vez a mulher "morreu" aos 11 anos. Rafaela contou que foi sua mãe que a encontrou sem sinais de vida. No hospital, o médico constatou a morte da menina, e a família começou a se preparar para o funeral.



Rafaela afirmou que permanecia consciente e podia ouvir e ver tudo.

"Fiquei feliz porque meus avós vieram ao velório, mas também me entristeci porque iam me enterrar viva. Por mais que gritasse, ninguém me ouviu", recordou a mulher.

+ Macron e Trump concordaram em seguir a luta contra o EI até o fim

Rafaela voltou à consciência somente poucos minutos antes de ser enterrada. Foi daí que começou sua incrível história que agora, por toda a região, as pessoas a conhecem como "o milagre de Rafaela".

Segundo a mulher, essa experiência deu-lhe um impulso para ajudar outras pessoas, e para desenvolver em si o amor à humanidade:

"Assim comecei a desenvolver o desejo de ser médica obstetra", confessou.

Segunda morte

Em certo ponto de sua vida, a mulher mudou-se para a cidade de Bonocó, onde se dedicou completamente ao trabalho no hospital, e também foi lá onde conheceu o amor de sua vida.

Contudo, sua vida tranquila foi interrompida mais uma vez pela “morte”. No ano de 1968, aos 33 anos, Rafaela Baroni novamente foi encontrada sem sinais de vida e foi quase enterrada.

"Fui levada ao hospital onde passei 19 dias em coma, e depois disseram que eu estava morta […] Quando fui levada ao cemitério e as pessoas se preparavam para me enterrar, alguém disse que os papéis tinham sido deixados em Boconó, e sem eles não podiam me enterrar. Então, levaram-me ao necrotério e aí que repararam que meu corpo estava se movendo. Alguém gritou: 'Não, a senhora não está morta'".

Após seu segundo "renascimento", Rafaela foi diagnosticada com catalepsia, doença que os médicos relacionam com catatonia (psicopatologia), que faz com os membros do doente se tornem completamente rígidos. A pessoa fica o tempo todo consciente e imóvel, e pode ficar por horas neste estado.

Vale destacar, que Rafaela é famosa não somente por sua incrível história de dois encontros com a morte, mas também por ser uma talentosa desenhista. Ela prefere pintar obras inspirada por temas de religião e da renascença. Além disso, é também capaz de curar pessoas e até mesmo prever seu destino.

Baroni contou à Sputnik, que várias vezes se encontrou com Hugo Chávez, antes e depois de ter sido eleito presidente do país.

"Conheci ele em Barinas, quando era um menino que vendia cocadas, muito humilde e simples", disse.

Quando os jornalistas perguntaram para ela: "Você tem medo de morrer?", ela respondeu: "Não, acredito que não haja ninguém que queira tanto a morte, como eu. Todos os dias estou esperando por ela". Com informações do Sputnik Brasil.