COMPARTILHAR

Duas testemunhas da execução da vereadora Marielle Franco (Psol-RJ) e do motorista Anderson Gomes deverão ser ouvidas pelas autoridades responsáveis pela investigação do caso. Elas não se conhecem e estavam a cerca de 15 metros do local do crime no momento dos assassinatos. Ambas revelaram ao jornal O Globo que, ao chegarem à cena, foram ordenadas por policiais do batalhão de São Cristóvão a irem para casa.

"Cheguei a aguardar por alguns minutos no local, mas os PMs mandaram as pessoas irem para casa. Disseram para procurarmos o que fazer", uma delas contou ao jornal carioca.



+ Após 4 anos, réus do caso do menino Bernardo ainda aguardam julgamento

Informado do fato, o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse que procederá com a localização das testemunhas para que elas sejam ouvidas. De acordo com ele, as investigações são realizadas em sigilo por oito equipes da Polícia Civil.



A execução completa 21 dias nesta quarta-feira (4).