COMPARTILHAR

Após o Supremo Tribunal Federal (STF) ter negado habeas corpus preventivo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a defesa do petista evitou fazer comentários sobre a decisão e afirmou que precisa refletir.

"Sem análise. Primeiro, nós precisamos refletir sobre o que nós ouvimos", afirmou o advogado José Roberto Batochio, um dos responsáveis pela defesa do ex-presidente Lula.



O ministro aposentado Sepúlveda Pertence, membro da defesa de Lula, também evitou comentar o resultado do julgamento. "É uma equipe de defesa. Então nós ainda temos que definir [qual vai ser a estratégia]", afirmou em entrevista ao G1.

O julgamento no STF durou quase 11 horas, e o resultado foi proclamado na madrugada desta quinta-feira (5) pela presidente do STF, ministra Cármen Lúcia.



+ Lula diz a aliados que só eles acreditavam em voto favorável de Weber

A execução da prisão de Lula depende do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), que, em janeiro, condenou Lula a 12 anos e 1 mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex no Guarujá (SP).

Em nota, o Partido dos Trabalhadores (PT) destaca que "é um dia trágico para a democracia e para o Brasil".

Segundo a sigla, a Constituição brasileira foi "rasgada por quem deveria defendê-la" e a maiora dos ministros do Supremo "sancionou mais uma violência contra o maior líder popular do país".

"Não há justiça nesta decisão. […] Lula é inocente e isso será proclamado num julgamento justo. O povo brasileiro tem o direito de votar em Lula, o candidato da esperança. O PT defenderá esta candidatura nas ruas e em todas as instâncias, até as últimas consequências", disse o partido na nota.