COMPARTILHAR

Um médico do Hospital Mãe de Deus, em Porto Alegre, foi afastado do cargo nesta sexta-feira (6) depois de publicar comentários ofensivos contra a deputada estadual e pré-candidata ao Planalto Manuela D'Ávila (PC do B). A instituição alega que a conduto do profissional desrespeita diversidade de opiniões.

No Twitter, Manuela escreveu: "Quem mandou matar Marielle e Anderson? Hoje faz 22 dias e ainda não temos resposta. Queremos justiça!". E o médico neurorradiologista respondeu: "Em primeira ou segunda instância, sua vaca?".



Pouco depois, no mesmo dia, a deputada se manifestou sobre o mandado de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva: "Estou indo a São Bernardo. Estou indo encontrar pessoas que estão se sentindo violentadas como eu. E que acreditam no Brasil, na democracia, nas garantias e nos direitos individuais. Para encontrar companheiros e seguir tendo força p/ dizer: o Brasil vale a luta. #LulaValeAluta".

O médico, mais uma vez, comentou: "Vai a merda".



Notícias ao Minuto

Em nota publicada pelo G1, o hospital afirmou que "não concorda e não corrobora com opiniões, políticas ou não, que ofendam a dignidade humana" e decidiu afastar temporariamente o profissional, até que medidas definitivas sejam adotadas.

Somos mais de 2500 pessoas que não se sentem representadas por atitudes que agridem o próximo. O Hospital Mãe de Deus repudia e não aceita comportamentos que desrespeitam a diversidade de opiniões. O funcionário envolvido nas ofensas propagadas foi afastado hoje, 06/04/2018. pic.twitter.com/zYxgATPP9B

— Hospital Mãe de Deus (@HospitalMaeDeus) 6 de abril de 2018

A assessoria de Manuela informou ao site que os tuítes foram enviados aos advogados, que vão tomar as providências cabíveis. Ainda segundo a assessoria, insultos e ameaças à deputada são comuns nas redes sociais e cada caso é analisado individualmente.

Íntegra da nota

"O Hospital Mãe de Deus não concorda e não corrobora com opiniões, políticas ou não, que ofendam a dignidade humana. Somos um hospital humanitário, e o respeito ao próximo e à diversidade é um dos nossos principais valores.

Partindo destas premissas, a Instituição repudia veementemente a manifestação do referido médico e decidiu pelo afastamento do funcionário. Tal comportamento não representa nossos mais de 2.500 profissionais e, também por isso, o Hospital Mãe de Deus soma-se às mensagens de indignação daqueles que, de alguma forma, se sentiram ofendidos com o fato".