COMPARTILHAR

Minutos depois do juiz federal Sérgio Moro decretar a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no início da noite desta quinta-feira (5), políticos reagiram à ordem do magistrado. Lula foi condenado a 12 anos e um mês em regime fechado, em duas instâncias da Justiça no caso do Triplex.

"A justiça sendo feita no Brasil", declarou o vice-líder do governo na Câmara, Darcísio Perondi (MDB-RS).



"Essa prisão é um absurdo, ilegal, inconstitucional", lamentou Lindbergh Farias (PT-RJ), líder do partido no Senado.

Alex Manente (PPS-SP), líder do partido na Câmara – "Um dia histórico para o Brasil. Finalmente está sendo preso o ex-presidente Lula, chefe de uma das maiores organizações criminosas com o dinheiro público. Não tenho dúvida que isso deixa todos nós com a sensação de Justiça, que ela chega para todos, que não pode se cometer crime em qualquer escala de poder. Mas também nos deixa envergonhados perante o mundo ver um ex-presidente preso."



Roberto Requião (MDB-PR), senador – "Opiniões fardadas ou não, na grande midia, pela absurda prisão de Lula. Nenhuma opinião contra a entrega do Brasil aos interesses estrangeiros. Que situação deprimente!Não é apenas Lula, é o nosso povo e nosso pais que querem encarcerar"!

+ Lula deixa sede do Instituto e segue para São Bernardo

Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), deputado federal- "‪Vamos de "Brasil eu te amo". Lavando a alma dos militares que até de torturadores foram chamados por botar na cadeia exatamente estes que hoje, em nossa cambaleante democracia, chamam juízes, procuradores e policiais federais de autoritários. Isso é mais bonito que um pôr do sol"!

Flávio Dino (PCdoB) – governador do Maranhão – "Prisão antes mesmo de esgotados recursos em 2ª instância e antes de finalizado o debate constitucional no Supremo só se explica por ansiedade ou parcialidade. Ou os 2 erros simultaneamente. O juiz acha que um recurso é uma "patologia a ser varrida". Então resolve ele mesmo "varrer". Ocorre que ele não tem essa competência constitucional, pois ele não foi eleito membro do Congresso Nacional, nem é ministro do Supremo. Cabe ao Judiciário tentar pacificar a sociedade e não jogar lenha na fogueira de paixões políticas. É um desserviço à Nação e à união entre os brasileiros agir de modo precipitado, por antipatias ou vaidades pessoais."

Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), líder do partido no Senado – "Barbaridade! Prisão de Lula decretada e ainda dizem que a lei é para todos! Como assim? Condenaram Lula sem provas e prendem sem trânsito em julgado! Ah! Ele não é do PSDB! Vamos reagir."

Álvaro Dias (Pode-PR), líder do partido no Senado – "É lastimável ver um ex-presidente da República ser conduzido à prisão. Mas é um avanço. A impunidade perdeu. O Estado de Direito prevaleceu. As leis estão governando os homens neste momento e nós estamos caminhando para a inauguração de uma nova Justiça no Brasil."

Humberto Costa (PT-PE), líder da minoria no Senado – "Esse mandado de prisão expedido de forma absolutamente açodada é mais um declarado abuso nessa caçada política implacável contra Lula. É um escândalo, que envergonha o Brasil."

Ana Amélia (PP-RS), senadora – "Ninguém está acima da lei!"

Roberto Jefferson, presidente do PTB e condenado no mensalão – "Não tenho sentimento de vingança em relação a Lula. Também não desejo seu mal. Muito menos comemoro sua prisão. Já passei por isso e sei o quanto uma prisão é desumana, cruel. Recomendo a Lula resignação, paciência, humildade, calma. Que saiba tirar as lições necessárias."

Chico Alencar (PSOL-RJ), deputado federal – "É uma celeridade impressionante, parece que têm medo de alguma reação popular, sequer apreciam os recursos finais, os chamados embargos dos embargos, há uma insegurança desse poder tão imperial. Tudo isso contribui para que se reaja. Por que no caso do Lula tem essa pressa total?"

Rubens Pereira Júnior (PCdoB-MA), vice-líder do partido na Câmara – "A decisão, de forma açodada, ocorreu antes de serem esgotados todos os recursos em segunda instância. […] Uma velocidade descomunal."

Darcísio Perondi (MDB-RS), vice-líder do governo na Câmara – "A justiça sendo feita no Brasil. Um ex-presidente da República, condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, deverá cumprir 12 anos de cadeia. Ele tem até amanhã, sexta-feira, às 17 horas, para se apresentar em Curitiba. A decretação da prisão do Lula é uma mostra de que já passou o tempo da impunidade e que os graúdos do colarinho branco também podem ser presos e pagar por seus erros."

Marcos Rogério (DEM-RO), deputado federal – "A decisão do juiz Sérgio Moro é um desfecho de todo processo até agora. A decisão dele mostra que o sistema penal funcionando, que a lei vale para todos."

Jandira Feghali (PCdoB-RJ), deputada federal – "O momento exige de nós coragem. O arbítrio chegou ao limite e a prisão de Lula sem provas foi decretada. Não nos calamos durante os duros anos da ditadura e não nos farão esmorecer agora. Permaneceremos ao lado dos que lutam pela democracia. A força de Lula será a nossa força."

Rodrigo Garcia, líder do DEM na Câmara – "A decisão do juiz Sérgio Moro segue a lei. Nós estamos num Estado Democrático de Direito, o ex-presidente Lula teve direito à sua defesa, usou todos os recursos estabelecidos no Código Penal e foi condenado. Por isso, espero que ele se apresente conforme a determinação do juiz Sérgio Moro."

Lindbergh Farias (PT-RJ), líder do partido no Senado – "Isso é um absurdo porque a defesa do presidente Lula ainda tinha até terça-feira (10) para apresentar os embargos dos embargos […]. Essa prisão é um absurdo, ilegal, inconstitucional."

Maria do Rosário (PT-RS), deputada federal – "Moro tem seu despacho de prisão contra Lula pronto há quanto tempo? Inaceitável! Lula e advogados decidirão e têm meu apoio, mas não creio, por ser inocente, que Lula deva se entregar em Curitiba."

Miro Teixeira (Rede-RJ), deputado federal – "São momentos indesejáveis que se somam: o momento da corrupção que fez tanto mal à população brasileira e esse outro momento de ver um líder de tantas lutas ser recolhido à prisão. O Lula não é exclusivamente um ex-presidente. É um símbolo da luta contra a ditadura pela anistia, pela democracia de um modo geral. Mas, exatamente com base nos postulados democráticos, ele recebe uma pena de reclusão."

Álvaro Dias (Podemos-PR), senador – “A impunidade perdeu; o Estado de direito prevaleceu. As leis estão governando os homens nesse momento e estamos caminhando para a inauguração de uma nova Justiça no Brasil. É assim que se constrói uma grande nação”, disse Dias em vídeo publicado no Twitter após a decisão.