COMPARTILHAR

Confusão com homem que pediu para tirar foto com a deputada federal Manuela d'Ávila (PC do B-RS) e gritou "Aqui é Bolsonaro, porra" marcou a manhã desta segunda (9) em frente à sede da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde o ex-presidente Lula está preso.

Manuela estava em um local restrito desde domingo (8) a policiais, jornalistas, parlamentares, moradores e pessoas que tenham algum procedimento marcado na sede da PF.



Tanto ela como o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ) são pré-candidatos a presidente.

Depois da confusão, o homem foi retirado pela Polícia Militar. Manuela disse que ele foi escoltado até o prédio da Polícia Federal e pediu providências.



"Eu quero saber quem ele é", disse Manuela, que entrou no prédio acompanhada do senador Lindbergh Farias (PT-RJ) e do deputado Paulo Pimenta (PT-RS). Saíram sem encontrá-lo.

+ Planalto avalia retirar de Lula direito a seguranças e motoristas

A PM não conseguiu identificar o homem até o início da tarde desta segunda.

Nas proximidades, há um acampamento dos apoiadores de Lula, que fazem vigília pela liberdade do ex-presidente. Segundo a polícia, são cerca de 500 pessoas.

Durante a manhã, os militantes tocam músicas e fazem discurso no acampamento, na expectativa de que Lula ouça o barulho.

Eles aguardam a chegada de ônibus com mais manifestantes e dizem que uma comitiva de governadores do Nordeste deve chegar em Curitiba nesta terça (10).

Em suas falas, além de defender Lula, criticaram o juiz Sergio Moro.

"O Moro é pequeno. Nos jornais de todo mundo era Lula nos braços do povo", disse Lindbergh.

Manuela pediu que os militantes não citassem o nome do juiz. "Ninguém se lembra o nome do juiz que prendeu o [Nelson] Mandela", comparou. "Os seus algozes serão esquecidos."

Os deputados passaram a manhã defendendo que também haja mobilizações em outros estados e em Brasília. Com informações da Folhapress.