COMPARTILHAR

A comissão externa da Câmara que acompanha as investigações sobre os assassinatos da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes reúne-se hoje, no Rio de Janeiro, com a vereadora do PSOL Niterói Talíria Petrone. Ela tem atuação política semelhante à de Marielle e vem sofrendo ameaças de morte em razão de sua atividade parlamentar.

A comissão foi proposta pelos deputados Jean Wyllys (PSOL-RJ), Erika Kokay (PT-DF), Luiza Erundina (PSOL-SP) e Wadih Damous (PT-RJ) e criada pelo presidente da Câmara durante sessão solene em homenagem a Marielle no mês passado.



+ Café da manhã simples e jogo do Corinthians: o 1º dia de Lula na prisão

Quatro dias antes do crime, Marielle, que foi a quinta vereadora mais votada no estado em 2016, fez denúncias contra o Batalhão de Irajá (41º BPM) em seu perfil nas redes sociais dizendo que a unidade estava "aterrorizando e violentando moradores de Acari", comunidade na zona norte do Rio de Janeiro.



Para a relatora da comissão, deputada Laura Carneiro (DEM-RJ), a morte de Marielle foi uma afronta ao poder legislativo.