COMPARTILHAR

No início desta semana, o Ministério da Defesa da Rússia assegurou que os médicos da cidade síria de Douma não tinham recebido pacientes com quaisquer sinais de intoxicação na sequência de um ataque químico. A Organização Mundial de Saúde rebateu e afirmou, nesta quarta-feira (11), que cerca de 500 pacientes têm "sinais e sintomas consistentes com a exposição a substâncias tóxicas".

"A OMS apela a um acesso livre e imediato à área para proporcionar assistência aos afetados, para avaliar os impactos na saúde e garantir uma resposta pública abrangente", comunicou o vice-diretor-geral para preparação e respostas a emergências da Organização Mundial de Saúde, Peter Salama.



+ Oficial: queda de avião na Argélia deixa pelo menos 100 mortos

Na semana passada, várias mídias de oposição sírias relataram, citando os militantes, que o exército sírio teria usado cloro na cidade de Douma, matando até 70 pessoas. Na sequência do ataque, vários países, inclusive os EUA, acusaram Damasco de ter organizado o ataque. A declaração mais recente veio da chanceler alemã, Angela Merkel, que disse ontem que a evidência sobre o uso de armas químicas na Síria era "clara e explícita".



O Centro Russo de Reconciliação na Síria tem repetidamente refutado estes relatos. Assim, os representantes da entidade visitaram o local do suposto ataque e questionaram os médicos locais, que asseguraram não ter recebido pessoas com sintomas de qualquer envenenamento químico.

"De acordo com os relatos dos nossos parceiros do Cluster de Saúde, durante o bombardeio de Douma no sábado, cerca de 500 pacientes compareceram nos estabelecimentos médicos demonstrando sinais e sintomas consistentes com a exposição a substâncias químicas tóxicas. Particularmente, houve sinais de irritação severa das membranas mucosas, falhas respiratórias e perturbação no sistema nervoso central nos afetados", informou. Com informações da Sputnik News Brasil.