COMPARTILHAR

Oito minutos. Este foi o tempo que um médico passou em um hospital público de São Paulo, após bater o cartão de ponto eletrônico, na noite desta quarta-feira (11). Enquanto deveria estar trabalhando na Policlínica Dona Luiza, em Guarulhos, o médico Pierre Simon estava em Barra Funda, na capital.

Conforme a Controladoria Geral de Guarulhos, depois de quatro horas, o médico voltou ao hospital, por onde ficou por duas horas. Segundo a Polícia Civil, o profissional foi preso em flagrante. Trata-se da primeira vez em que uma denúncia do gênero, envolvendo a ausência de um servidor público na Grande São Paulo, acaba em detenção.



+ Grávida pela primeira vez, mulher de 64 anos dá à luz em BH

No momento da prisão, flagrado pelo G1, o médico alega que cumpriu todo o horário, das 19h às 8h. Segundo a Controladoria, o médico foi investigado durante 30 dias. O material, registrado em foto e vídeo, mostra que houve dias em que ele permaneceu cerca de 10 minutos no Dona Luzia.



De acordo com a polícia, ele responderá por falsidade ideológica e será afastado do cargo até o fim da investigação. E, se condenado, pode ser demitido. Advogado do médico, Leandro Gomes disse que o cliente se "ausentava do plantão para fazer refeição, para procurar comida". Gomes disse ainda que o médico assinou 19 prontuários na noite da terça-feira (10), o que comprovaria permanência no hospital.