COMPARTILHAR

Alvo de duas denúncias da PGR (Procuradoria-Geral da República), o presidente Michel Temer distribuiu nesta terça-feira (17) uma cartilha a líderes da base aliada na Câmara na qual destaca o "combate à corrupção" como um dos pontos de destaque de seu governo, que completa dois anos em maio.

"Combate à corrupção gera economia de R$ 4,5 bilhões", diz o trecho que destaca a ação do Ministério da Transparência, pasta que está sob comando interino desde maio de 2017.



Em nenhum momento o texto fala sobre a Operação Lava Jato, da qual Temer e seus principais aliados são alvo, e não menciona a atuação da Polícia Federal.

Em outro trecho, o documento destaca a atuação da PF no combate ao tráfico de drogas, dizendo que a instituição bateu recorde na apreensão de maconha e cocaína no ano passado.



O texto foi entregue durante encontro no Palácio do Planalto nesta terça, em Brasília. O emedebista pretende concorrer à reeleição e tem pedido que os partidos que compõem a sua base aproveitem seus discursos em plenário ou agendas em seus estados para defender o legado de seu governo.

+ Temer diz que planeja manter MDB no Planalto em 2019

O documento, de 17 páginas, é intitulado "Governo Temer: as maiores entregas no menor tempo. O governo mais eficiente". Traz também itens econômicos e políticos e aprimoramentos na área social feitos em programadas criados pelo governo do PT.

Alvo de duas denúncias por corrupção, organização criminosa e obstrução da Justiça, o presidente não fala a respeito da existência da Operação Lava Jato, embora comemore ter vencido "a crise causada pela investigação da chamada Operação Carne Fraca".

A reunião ocorreu no Palácio do Planalto numa tentativa de Temer de conquistar apoio da Câmara para aprovar projetos como a privatização da Eletrobras e a reoneração da folha de pagamentos, pautas polêmicas que seguem emperradas no Congresso.

Nesta terça, pesquisa Datafolha mostrou que a atual gestão é reprovada por 70% dos brasileiros.

No campo econômico, o governo diz que, apesar da investigação da Carne Fraca, "o trabalho para garantir e expandir mercados e a qualidade da produção nacional resultaram em exportações de US$ 15,5 bi em 2017, aumento de 9% sobre os US$ 14,2 bi de 2016".

O documento também alude à conclusão dos 217 km de transposição do eixo leste do rio São Francisco, obra iniciada em 2007, durante o governo do petista Luiz Inácio Lula da Silva.

Entre os itens sociais, Temer também exalta ações no Bolsa Família, no Minha Casa, Minha Vida e no ProUni, programas também criados durante as gestões petistas.

Na área econômica, o presidente cita ainda a polêmica reforma trabalhista, alvo de protestos em 2017.

Sob o título "Nova lei trabalhista apresenta resultados", o governo comemora o saldo positivo de empregos de 77 mil contratações em janeiro, segundo dados do Caged.

Celebra também que "as ações na Justiça trabalhista caíram depois da reforma". Com informações da Folhapress.