COMPARTILHAR

O presidente Michel Temer comentou sobre a possibilidade veiculada pela imprensa, nessa terça-feira (17), de que ele iria fazer um pronunciamento se defendendo de uma possível terceira denúncia da Procuradoria-Geral da República.

"Andaram dizendo aí que eu ia dar pronunciamento para justificar a denúncia. Não tem nada disso. Quando tiver e se tiver, eu vou possivelmente fazer um pronunciamento à nação como chefe de estado", afirmou o presidente.



A declaração foi dada após jantar com integrantes da bancada do PMDB. Na ocasião, Temer ainda reforçou a intenção de manter o partido no Planalto, em 2019, segundo O Globo.

"Precisamos eleger um grande número de deputados. Aliás, o meu desejo é que todos aqui, deputados e senadores, sejam reeleitos e que possam trazer também outros que possam acrescentar à nossa bancada. Governadores, deputados, senadores e, eventualmente, o presidente da república", destacou.



+ Torquato: rixa entre Gilmar e Barroso levou à prisão de amigos de Temer

As especulações sobre as chance de uma terceira denúncia surgiram após a operação Skala, deflagrada pela Polícia Federal (PF) sob determinação do ministro Luis Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Na ação, foram presas temporariamente dez pessoas, o ex-assessor e advogado José Yunes, Wagner Rossi, ex-ministro da Agricultura e ex-presidente da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), além do coronel João Batista Lima, todos amigos de Temer.

A operação ocorreu no âmbito do inquérito que apura possíveis irregularidades na edição do decreto dos portos (Decreto 9.048/2017), assinado por Michel Temer, em maio do ano passado, e que apura o suposto favorecimento a empresas do ramo portuário.