COMPARTILHAR

A manifestação de 1º de Maio organizada por centrais sindicais no centro de São Paulo será mantida, mesmo após um incêndio que causou o desabamento de um prédio de mais de 20 andares na madrugada desta terça-feira (1º), afirmou João Caires, secretário nacional da CUT.

O ato, que foi convocado pelas centrais CUT (Central Única dos Trabalhadores), CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), ligada à CUT (Central Única dos Trabalhadores), Intersindical, além das frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, deverá começar a partir do meio-dia, na Praça da República, no centro da capital paulista.



O palco está sendo montado próximo ao prédio da Secretaria de Educação. A comemoração do dia do trabalho terá shows de artistas como Liniker, a sambista Leci Brandão, o grupo Mistura Popular, além de intérpretes da escola de samba Paraíso do Tuiuti, cujo desfile no carnaval deste ano foi bastante crítico à reforma trabalhista e ao governo de Michel Temer.

A Força Sindical também fará um evento na praça Campo de Bagatelle, na zona norte de São Paulo, com shows de artistas sertanejos, como Leonardo, Simone e Simaria e Maiara e Maraisa, e sorteio de prêmios. Os sindicalistas e políticos que se revezaram no palanque tiveram um discurso unitário: pedido por mais emprego e revogação da reforma trabalhista.



+ Prédio incendiado em SP foi ocupado por facção criminosa, afirma Doria

De olho nas eleições de outubro, o presidente da Força, Paulo Pereira da Silva (SD-SP) classificou o Dia do Trabalho como "Dia do desemprego". Atualmente há 13,7 milhões de desempregados no país, segundo o IBGE. "Precisamos cobrar de todos os candidatos uma política de desenvolvimento econômico. Tiraram uma série de direitos dos trabalhadores dizendo que haveria mais emprego e isso não aconteceu", afirmou o deputado federal do Solidariedade, se referindo à reforma trabalhista.

O presidente da CTB, Adilson Araújo, pediu a unidade do movimento sindical contra as reformas.Também estiveram presentes três pré-candidatos à Presidência da República, Aldo Rabelo (SD), Manuela Dávila (PCdoB) e Paulo Rabello de Castro (PSC).

Apesar da decisão das centrais de manter os atos de 1º de Maio em São Paulo, a previsão é que as comemorações se concentrem em Curitiba, onde está preso o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva.Sete centrais sindicais do país incluirão às reivindicações do Dia do Trabalho a libertação de Lula, em um ato unificado que será realizado na capital paranaense a partir das 14h. Com informações da Folhapress.