COMPARTILHAR

O incêndio que atingiu o edífício Wilton Paes de Almeida causou uma perda histórica em São Paulo. Vizinha aos escombros do prédio desabado, as imagens mostravam o teto caído da Igreja Evangélica Luterana Martin Luther, inaugurada em 1908 e considerada a primeira em estilo neogótico na capital. Diante da cena, o pastor Frederico Carlos Ludwig, responsável pela paróquia, lamenta o que considera uma "tragédia anunciada", tanto para as pessoas atingidas pelo incêndio como para o patrimônio cultural de São Paulo.

"A situação é dramática, tanto pela questão humana, porque ainda não temos idéia de possíveis vítimas, como para a nossa igreja porque foi tudo destruído", afirmou Ludwig à Agência Brasil, no início da noite.



O pastor ressalta que tentará a partir de amanhã retomar a vida comunitária com a população de rua no local, especialmente recordando a relação de vizinhança com os moradores do edifício. "Vários participavam das atividades da igreja. Sofremos juntos. Minha prioridade amanhã será reestabelecer nossas atividades sociais", diz.

+ Bombeiros voltam atrás: 44 vítimas de desabamento não foram encontradas



Em sua casa no início da noite, o pastor começava a responder e-mails com pedidos de entrevistas e muitos de solidariedade da comunidade luterana e das pessoas que acompanhavam seu trabalho na paróquia histórica. "Recebi uma ligação do arquitero responsável pela restauração interna do prédio, que terminamos há pouco tempo. Pelo que verificamos, a igreja acabou. Não podemos ter nem acesso ainda para tentar salvar o órgão alemão de 1 mil tubos que vemos nas imagens", afirmou Ludwig. Ele lembrou que, a partir de junho, seria iniciada a reforma da parte externa do prédio.

Além do órgão alemão no altar da igreja, sua parede direita tinha vitrais confeccionados pelo mesmo vitralista do Mercadão e do Theatro Municipal. Os vitrais destruídos no incêndio hoje em São Paulo foram produzidos por uma empresa fundada pelo alemão Conrado Sorgenitcht em 1889. Com informações da Agência Brasil.