COMPARTILHAR

Críticas aos governos tucanos e a defesa do governo Michel Temer permearam os discursos de apoio à pré-candidatura de Paulo Skaf ao governo de São Paulo, lançada neste sábado (5) em Jaguariúna (a 130 km de São Paulo).

"Sinto que há um ciclo se encerrando no governo de São Paulo, um ciclo que durou até muito tempo", afirmou o presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), para quem os problemas do estado "são os mesmos de dez, 20 anos".



"Quem esta aí [no governo], com todo o respeito ao PSDB, já deu o que tinha que dar", disse Skaf.

O agora pré-candidato do MDB ao Bandeirantes discursou em um palco onde estavam Temer, o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles e os senadores paulistas do partido, Airton Sandoval e Marta Suplicy, além de parlamentares da legenda. O evento também marcou o lançamento da pré-candidatura de Marta à reeleição.



Skaf tem 20% das intenções de voto para governador, de acordo com pesquisa Datafolha mais recente, de abril. O percentual o coloca em segundo lugar na preferência do eleitor paulista, atrás do ex-prefeito paulistano João Doria (PSDB), que registrou 29 pontos nessa mesma sondagem.

+ 'A esquerda me traiu', diz deputado que tentou anular impeachment

O número, segundo o discurso do deputado federal Beto Mansur, recém-filiado ao MDB, foi suficiente para inserir Skaf na disputa, e ao que o dirigente empresarial não é "café com leite" -especulava-se que Skaf seria candidato a vice-governador.

Ligado ao empresariado como Doria, Skaf disse que é político. Na campanha à prefeitura, em 2016, o tucano dizia não ser político, mas gestor: "Não pode falar que não é político, não. A política é uma das coisas mais maravilhosas que se tem", afirmou Skaf.

Em tom de candidato, o emedebista falou em um programa de governo que parece privilegiar a educação. Criticou políticas dos governos tucanos, sobretudo o atraso na entrega de obras de transporte, como as do metrô.

Ele também questionou o discurso do ex-governador Geraldo Alckmin, que costuma mostrar a redução dos índices de homicídio no estado como um sinal de êxito na segurança pública. Citou os índices de furto e roubo, além dos "pancadões" de funk e o uso de crack.

"Não dá para se orgulhar da segurança em São Paulo, não há sensação de segurança", disse Skaf.

Críticas às mais de duas décadas de governo do PSDB no Estado foram frequentes entre os emedebistas. O deputado estadual Jorge Caruso comparou o período a um império. Marta Suplicy falou em mediocridade. "Xô, tucano, desocupa o beco que tem gente competente pra assumir", disparou o ex-governador Luiz Antônio Fleury Filho.

Nos bastidores, como a Folha de S.Paulo noticiou neste sábado, Temer tem mostrado disposição para conversar com Alckmin sobre o apoio a uma única candidatura de centro nas eleições presidenciais.

A jornalistas, ao final do evento, Skaf disse concordar com a unificação em torno de uma candidatura presidencial de centro, mas não respondeu se o nome de Alckmin seria o mais adequado. Disse que não iria "fulanizar" o assunto e que as decisões finais sobre coligações e candidaturas serão formalizadas apenas em junho.

Temer não falou a jornalistas e, em seu discurso, defendeu os nomes de Skaf e Marta, sem citar a própria candidatura à reeleição. Afirmou apenas que ele e Meirelles estarão juntos nas eleições -por isso seu ex-ministro da Fazenda se filiou ao MDB.

O presidente aproveitou a ocasião em que disse se sentir em casa para defender resultados econômicos de seu governo. Falou da redução da taxa de juros e da inflação. Defendeu o teto de gastos públicos e afirmou que o desemprego não está crescendo no país -esse aumento nos índices, segundo o emedebista, se deve ao fato de que as pessoas estão mais estimuladas a procurar emprego, considerando a recuperação da economia.

Questionado se, com baixos índices de aprovação, Temer será um bom cabo eleitoral em 2018, Skaf responde que esta eleição será diferente: "Não adianta ficar buscando padrinhos. Os métodos de votar em quem indicou não deram certo".

Para o pré-candidato do MDB, o eleitor não se concentrará em partidos – todos estão com a imagem ruim, ele diz–, mas na figura do candidato. "O eleitor vai escolher pessoas", afirmou. Com informações da Folhapress.