COMPARTILHAR

Nesta quinta-feira (10), a sessão da Câmara Municipal do Rio não pode ser aberta por falta de quórum. Este é o segundo dia consecutivo que isso acontece,e vereadores afirmam que Marcello Siciliano (PHS) contava com a realização da sessão para se defender publicamente das suspeitas de que teria envolvimento com a morte da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes.

De acordo com relatos de vereadores ao Globo, como alguns parlamentares ainda não tem certeza sobre a veracidade das acusações, optaram por não registrar presença, com o objetivo de evitar que o gesto fosse interpretado como apoio ao político.



Tânia Bastos (PRB) iria abrir a sessão, às 14h, seguindo o regimento interno. Ao verificar que não havia o quórum mínimo de sete vereadores para dar início aos trabalhos, declarou que o plenário não funcionaria. Ela convocou uma nova sessão para a próxima terça (15).

Leia também: Caso Marielle: vereador e ex-PM estão sendo investigados, diz ministro