COMPARTILHAR

O governador de São Paulo, Márcio França (PSB), anunciou neste domingo (13) o fim das buscas do Corpo de Bombeiros pelas vítimas do prédio que pegou fogo e desabou, no Largo do Paissandu, no Centro de São Paulo, no dia 1º de maio. O trabalho das equipes de resgate durou 13 dias.

"A gente não tem a expectativa de mais nada, o máximo que a gente pode fazer do ponto de vista de profundidade é essa. O resto [dos corpos] não deve ter mais existência, deve ter sumido junto com toda a situação, porque é muito calor e o corpo desaparece praticamente, é comum nesse tipo de tragédia", afirmou.



De acordo com o G1, o governador disse ainda que o destino dos escombros está nas mãos da prefeitura. "Toda essa terra que está fora vai entrar pra dentro daquele buraco para tentar estabilizar o terreno e permitir que todos esses lugares aqui em volta fiquem dentro do possível mais normais. Daqui pra frente a Prefeitura tem que dar uma destinação ao terreno", completou.

Ainda segundo a reportagem, os bombeiros ainda procuravam quatro vítimas: Selma Almeida da Silva (mãe dos gêmeos), de 40 anos; Eva Barbosa Lima, de 42; o marido dela, Walmir Sousa Santos, 47; e Gentil de Souza Rocha, 53. O nome de Gentil entrou na lista na procurados no desabamento nesta sexta-feira, após a companheira dele registrar seu desaparecimento.



Leia também: Pela 1ª vez, mulheres trans recebem indulto especial de Dia das Mães