COMPARTILHAR

O TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) manteve nesta quarta-feira (30) a pena do pecuarista José Carlos Bumlai em nove anos e dez meses de prisão por corrupção e gestão fraudulenta de instituição financeira.

Em setembro de 2016, o juiz Sergio Moro havia condenado Bumlai a nove anos e 10 meses de prisão. Segundo a acusação, o pecuarista tomou um empréstimo de R$ 12 milhões em seu nome, no banco Schahin, em 2004, e repassou os valores ao PT, atuando como um operador do partido.



+ PT marca lançamento de candidatura de Lula e teme ausência de políticos

O empréstimo nunca foi quitado – um acordo garantiu que o Schahin perdoaria a dívida em troca de um contrato de US$ 1,6 bilhão com a Petrobras, em 2009, para a operação de um navio-sonda.



Bumlai chegou a ser preso preventivamente em novembro de 2015, mas em novembro de 2016 o STF (Supremo Tribunal Federal) autorizou que ele cumprisse prisão domiciliar, por motivos de saúde. Em abril de 2017, a corte decidiu revogar a domiciliar e soltá-lo. Com informações da Folhapress.