COMPARTILHAR

O Ministério Público Federal no Rio de Janeiro (MPF-RJ) encaminhou à Procuradoria-Geral da República um pedido de suspeição contra o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), para que o magistrado seja impedido de julgar os casos relativos ao ex-presidente da Fecomércio Orlando Diniz.

Na requisição, obtida pelo jornal O Globo, a força-tarefa da Lava-Jato no Rio aponta ligações entre a Fecomércio e o Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP), controlado pela família do ministro.



Leia também: STF analisa quebra de sigilo telefônico de Temer após pedido da PF

Os documentos mostram que, sob a gestão de Diniz, que deixou a presidência da Fecomércio após ser preso, a federação patrocinou ao menos três eventos da IDP – um dos pagamentos, de 2016, é de R$ 50 mil.



Orlando Diniz foi preso em fevereiro e solto por Gilmar em 31 de maio.

Em menos de um mês, o magistrado concedeu habeas corpus a 20 presos pela Lava-Jato no Rio.