COMPARTILHAR

Uma funcionária do comitê de comunicação do presidenciável Guilherme Boulos (PSOL) disse ter sido ameaçada com uma arma de fogo por um simpatizante de Jair Bolsonaro (PSL).

A intimidação teria acontecido nesta quarta (29), em frente à sede psolista na rua Cardeal Arcoverde, na zona oeste paulistana.



"Enquanto estava em ligação, na frente do portão do comitê, um carro parado no trânsito, ao ler o nome de Guilherme Boulos no grafite da parede, reagiu com um grito 'Boulos é o caralho, Bolsonaro'", ela relatou à equipe do candidato.

+ Mais da metade da população brasileira vive em 5% das cidades do país



"Assustada, não entendi e reagi com cara de quem não estava entendendo e disse: 'O quê?'. O motorista mais uma vez gritou Bolsonaro e eu retruquei dizendo 'fascista'. Após chamá-lo de fascista, ele mostrou uma arma prata de cano longo. No impulso saí em direção do carro para registrar foto da placa."

A equipe da campanha foi ao 14º Distrito Policial registrar um boletim de ocorrência com a placa do automóvel, associada a um Chevrolet. Com informações da Folhapress.