O Ministério Público em São Paulo encaminhou informações e pediu ao Ministério Público Federal uma apuração sobre o suposto envolvimento do médium João de Deus, de 76 anos, num esquema de tráfico internacional de bebês e de escravização de mulheres. As informações são do UOL.

A defesa do médium disse ao site que as acusações não têm provas e desmerecem "maior consideração".

+ João de Deus pode estar envolvido com 'máfia da morte', diz site

Sabrina Bittencourt, da força-tarefa "Somos Muitas", divulgou um vídeo nas redes sociais no qual afirma que funcionários de João de deus atuariam em conjunto nos crimes relatados.

De acordo com Sabrina, que afirma ter coletado relatos de mães adotivas de países como Estados Unidos e Austrália, as mulheres eram forçadas a engravidar em troca de comida para seus filhos. Os bebês seriam comercializados com famílias estrangeiras a valores entre US$ 20 mil e US$ 50 mil. A venda era "intermediada por guias turísticas espirituais, ex-funcionárias e cidadãos de Abadiânia que já estão fartos de serem coniventes, de forma coagida, com a quadrilha de João de Deus".

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui