COMPARTILHAR

A ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva (Rede) criticou hoje os projetos de lei que pretendem flexibilizar a legislação ambiental. Acompanhada do senador Randolfe Rodrigues (PSOL), ela esteve na localidade de Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), uma das mais atingidas pela tragédia provocada pelo rompimento de mais uma barragem da Vale.

Marina também lembrou que paralisou o licenciamento das usinas hidrelétricas de Belo Monte e Santo Antônio, ambas com participação da Vale, por considerar a documentação apresentada falha.



+ Gabinete para Bolsonaro é montado ao lado do quarto dele no hospital

+ Renan Calheiros defende urgência no afastamento da diretoria da Vale



"O licenciamento não pode ser feito por encomenda. Não tem dificuldade. É fazer como deve ser feito", disse a ex-ministra, que ficou menos de uma hora no local. "Nosso compromisso é com a defesa da vida", afirmou.

Para Marina, o uso de tecnologias, mesmo as aparentemente menos danosas, deve se subordinar à ética. "A tecnologia existe e responde à ética. É a ética que protege a vida das pessoas. Quando há dúvida, o licenciamento deve ser interditado para mais estudos", completou.

Leia mais sobre a tragédia aqui.