COMPARTILHAR

Houve uma mudança na técnica cirúrgica empregada para a retirada da bolsa de colostomia do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Inicialmente, a ideia era fazer uma ligação entre duas partes do intestino grosso (cólon direito com o cólon transverso).

Segundo o boletim médico divulgado na tarde desta segunda (27), foi feita uma anastomose (ligação) com o íleo (intestino delgado) e o cólon transverso.

Ou seja, foi retirado o cólon direito e construída uma ligação direta entre o intestino grosso e o delgado, tecnicamente chamada de colectomia direita. A informação foi confirmada pelo cirurgião Antônio Macedo, responsável pela cirurgia.

+ Ministério Público solapa Bolsonaro, diz candidato 'avulso' na Câmara

De acordo com cirurgiões ouvidos pela Folha de S.Paulo, a decisão foi estratégica para reduzir o risco de fístula no pós-operatório. "A fístula do íleo com o cólon transverso é menos comum. E o cólon direito [que foi retirado na cirurgia] não é vital", afirma o cirurgião gastrointestinal Diego Adão Fanti Silva, da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

A função do cólon direito, segundo Fanti Silva, é basicamente absorver água. "Então, no começo a pessoa evacua mais vezes ao dia e mais pastoso. Depois, normaliza", explica. Com a mudança, as chances de fístula caem para menos de 5%.

+ Palocci se oferece para delatar integrantes do MDB

O fato de o presidente ter sido levado para a UTI após a cirurgia também é vista como uma medida de precaução. "Foi uma cirurgia longa. Por mais que não sangre, o paciente perde líquidos, desidrata, inflama muito. Isso pode fazer a pressão cair e o coração disparar nas próximas 24 horas", afirma Fanti Silva. Com informações da Folhapress.

Comments

comments