COMPARTILHAR

Logo depois que Jean Wyllys anunciou que não assumiria o seu terceiro mandato como deputado federal e que ficaria fora do Brasil por tempo indeterminado, espalhou-se rapidamente nas redes sociais uma história de que ele estaria envolvido com o financiamento do atentado sofrido pelo presidente Jair Bolsonaro.

O site “Aos Fatos” afirmou que a informação é falsa. O “Monitor do Debate Político no Meio Digital”, da USP, identificou em relatório que o primeiro tuíte a levantar a história saiu da conta de Milene Reis, uma moça que é seguida no Twitter por Carlos Bolsonaro, filho do presidente, e pelo assessor olavista da presidência, Filipe Martins.



+ As ameaças que levaram Jean Wyllys a sair do Brasil: ‘Estuprar sua mãe’

Já o primeiro grande impulso no microblog foi dado por Romeu Tuma, ex-secretário nacional de Justiça. Depois disso, a história se espalhou como fogo em palha seca.



Leia também: Wyllys pode ser condenado a pagar mais de R$ 100 milhões a Bolsonaro