COMPARTILHAR

Timothy Ray Brown, considerado a primeira pessoa a ser curada da infecção do HIV, enfrenta agora uma leucemia em estágio terminal. Também conhecido como "paciente de Berlim", em referência à cidade em que viveu, ele recebeu um transplante de um doador com resistência natural ao vírus da Aids há cerca de 12 anos.

Em entrevista à The Associated Press, Brown relatou que o câncer voltou no último ano e de forma mais agressiva. Hoje, com 54 anos, vive em Palm Springs, na Califórnia, onde recebe cuidados paliativos.



"Ainda estou feliz por tê-lo feito", diz sobre o transplante histórico. "Isso abriu portas que não existiam antes" e inspirou cientistas a trabalhar mais para encontrar uma cura, que muitos começaram a pensar que não era possível, comenta.

"Timothy provou que o HIV pode ser curado, mas não é isso que me inspira nele'', afirma Steven Deeks, um especialista em Aids da Universidade da Califórnia, que trabalhou com Brown em pesquisas para a cura. "Tiramos pedaços de seu intestino, tiramos pedaços de seus gânglios linfáticos. Cada vez que lhe pediam para fazer algo, ele aparecia com uma graça incrível."



Brown foi diagnosticado com leucemia em 2006. Na época, o médico Gero Huetter, especialista em câncer sanguíneo da Universidade de Berlim, defendia que um transplante de medula era a melhor chance para que o paciente sobrevivesse e propôs utilizar o procedimento também para tentar curá-lo do HIV, com a participação de um doador com uma rara mutação genética que fornece resistência natural ao vírus da Aids.

Nesse tipo de procedimento, os médicos precisam destruir o sistema imunológico doente do paciente com quimioterapia e radiação, depois transplantar as células do doador e esperar que elas se desenvolvam em um novo sistema imunológico para o receptor. O primeiro transplante de Brown ocorreu em 2007, mas foi apenas parcialmente bem-sucedido, pois o vírus do HIV sumiu, mas a leucemia permaneceu.

Ele teve um segundo transplante do mesmo doador em março de 2008. Desde então, testou repetidamente negativo para HIV e tem aparecido frequentemente em conferências sobre a Aids, onde a pesquisa de cura é discutida.

"Ele tem sido como um embaixador da esperança", disse o parceiro de Brown, Tim Hoeffgen. Um segundo homem, Adam Castillejo, chamado de "paciente de Londres'' também teria sido curado por um transplante semelhante em 2016.

Doadores como esses são escassos e os procedimento é muito arriscado para ser amplamente utilizado. Os cientistas têm testado a terapia genética e outras maneiras de tentar obter o efeito da mutação genética favorável sem ter que fazer um transplante.

Em uma conferência em julho, pesquisadores disseram que podem ter alcançado uma remissão de longo prazo em um homem do Brasil usando uma combinação poderosa de drogas destinadas a liberar o HIV de seu corpo./ASSOCIATED PRESS