COMPARTILHAR

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O estado de São Paulo alcançou nesta quinta-feira (25) 2.014.529 casos confirmados de Covid-19 e 58.873 mortes desde o início da pandemia, segundo dados da Secretaria Estadual da Saúde.

A doença também vem inchando as taxas de ocupação dos leitos de UTI da rede privada. A reportagem solicitou dados de internações aos hospitais Israelita Albert Einstein, Sírio Libanês, HCor, Oswaldo Cruz, A BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo e à operadora de Saúde Hapvida, com ampla rede no interior paulista.



Nesta quinta, no Einstein, a taxa de ocupação de leitos não somente para Covid-19 chegou a 99%, de acordo com dados passados pela assessoria de imprensa.

Entre os dias 17 e 25 de fevereiro de 2021, período pós Carnaval, o Einstein manteve internados por Covid-19 mais de 120 pacientes. Até esta quinta-feira, 65 permaneciam na UTI. No mesmo período de janeiro, houve mais de 140 pessoas em leitos de enfermaria e na terapia intensiva os números superaram 70.



Leia Também: 'Brasil vai mergulhar no caos em duas semanas por causa da Covid-19', diz governador da Bahia

Por meio de nota, o presidente da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira, Sidney Klajner, disse que há preocupação em relação às próximas semanas em função das aglomerações ocorridas no Carnaval, ainda que o ponto facultativo tenha sido suspenso..

O hospital salientou, contudo, que "possui um sistema de gerenciamento de leitos que permite o atendimento de todos os pacientes".

Para o superintendente corporativo do HCor, o CEO Fernando Torelly, há aumento de casos em relação ao início de 2021.
"O Hcor chegou a ter, em média, 74 pacientes com Covid-19 internados em junho de 2020. Em outubro chegou a 23, e pensamos que iria terminar. No início de 2021, em janeiro, voltamos a 74 e caiu. Só que agora, na segunda quinzena de fevereiro de 2021, estamos observando nova alta", explica Torelly.

Leia Também: Explosão de internações e fila de vaga por UTI viram rotina pelo país no auge da pandemia

Na observação de Torelly, há vários motivos para o aumento dos casos de internação, além do Carnaval: as pessoas que tomaram a primeira dose da vacina contra a doença acham que estão protegidas, o que não é verdade; o relaxamento da sociedade e a falta de preocupação com a pandemia.

"Hoje de manhã, o hospital acordou com 85% de ocupação na nossa unidade Covid e agora [final da tarde] alcançou 90%", afirma. Com a pandemia, a instituição foi dividida em duas alas: Síndrome Gripal e Mais Seguro, que atende casos não covid. Os fluxos de atendimento são diferentes.

"A população precisa se cuidar muito para que não aconteça em São Paulo o que vem ocorrendo em outros estados brasileiros, onde os casos começaram a aumentar em maior velocidade", alerta Torelly.

Atualmente, o HCor possui 60 leitos dedicados a doentes com Covid-19; na ala Mais Seguro há 208.

A unidade paulista do Sírio Libanês tem neste momento 167 pacientes com suspeita ou confirmação de infecção pelo coronavírus. Destes, 50 estão na UTI. No total, 525 leitos estavam ocupados até a tarde desta quinta-feira (todas as doenças), com taxa de 96%.

Em nota, a BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo afirmou que registrou, nesta quinta-feira, 93 pacientes de Covid-19 internados. Desses, 46 estão em UTI. No total, o hospital disponibiliza 97 leitos para infectados pelo coronavírus, sendo 47 de UTI. A taxa de ocupação dos leitos destinados à doença está em 97,87% na UTI e 94% na enfermaria.

"A instituição mantém estreita vigilância sobre a evolução epidemiológica dessa doença, acompanhando diariamente os indicadores de ocupação e promovendo os ajustes necessários na quantidade de leitos destinados para os casos de Covid-19", diz o texto.

O Sistema Hapvida, operadora de saúde com rede hospitalar no interior paulista e em outras regiões do país, disse que acompanha diariamente os indicadores de procura das emergências por síndrome gripal e internações pelo mesmo motivo.

A entidade afirma que consegue prever a demanda de leitos e já conta com planos de expansão em ondas, conforme a necessidade. A gestão dos leitos permite a transferência de equipamentos e de profissionais para outras unidades da rede, de acordo com o aumento na demanda por serviços médico-hospitalares.

A taxa atual de ocupação de leitos da rede própria do Sistema Hapvida no interior de São Paulo é variável. Araraquara se mantém acima de 83%; Ribeirão Preto registra 72,8%; Bauru, 73,4%; Araraquara, 83,2%; Franca, 70,7%; Lins, 70,2%; Sertãozinho, 73,6%; São José, 72,82%; e Limeira, 73,4%.

Na rede pública de São Paulo, as taxas de ocupação de leitos são de 70% na Grande São Paulo e 69,7% no estado. O número de pacientes internados é de 14.809, sendo 8.042 em enfermaria e 6.767 em unidades de terapia intensiva.

Os hospitais que não divulgaram as taxas de ocupação específicas de leitos Covid-19 explicaram que a rotatividade nos leitos é alta e que conseguem fazer a gestão rapidamente.

O Hospital Oswaldo Cruz não respondeu os questionamentos da reportagem.