COMPARTILHAR

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Por uma falha interna de comunicação na Secretaria Municipal da Saúde, gestão Bruno Covas (PSDB), 103 agentes de trânsito da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) tomaram, por engano, a primeira dose da vacina contra a Covid-19, na manhã desta terça-feira (13), em quatro regiões da capital paulista. Os profissionais deveriam, em vez disso, terem sido imunizados contra a gripe, que teve a campanha de vacinação iniciada no dia anterior.

A reportagem teve acesso ao email, com a informação errada, enviado para 22 representantes de Coordenadorias Regionais da Saúde na cidade. No texto, remetido às 9h20 de terça-feira, é afirmado que agentes da CET estavam autorizados a tomar "a vacina contra a Covid-19" em postos montados pela Prefeitura de São Paulo, "mediante a apresentação do crachá". "Solicitamos a divulgação para todas as Unidades de Saúde participantes da Campanha de Vacinação", afirma o trecho final da mensagem.



Quase uma hora e meia depois, às 10h49, o comunicado enviado anteriormente é corrigido. "Com escusas, o correto é vacinação contra influenza. Desconsiderar a vacinação Covid-19", explica a mensagem.

Durante este período, porém, 103 agentes conseguiram tomar a primeira dose contra o novo coronavírus, em postos de vacinação na Vila Medeiros (zona norte), Penha (zona leste), Cambuci (centro) e Butantã (zona oeste).



O secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido, afirmou à reportagem, no início da tarde desta quarta-feira (14), que, apesar da falha, todos os 103 profissionais do trânsito estão com as segundas doses da Coronavac garantidas, inclusive, para não haver desperdício das doses aplicadas por engano.

"O erro foi corrigido rapidamente, identificado e comunicado às estruturas de SMS [Secretaria da Saúde]. Temos cumprido rigorosamente o Programa Nacional de Imunização e assim continuaremos", afirmou o secretário.

Questionada, a Secretaria Municipal da Saúde não se posicionou sobre alguma eventual punição, ao responsável pelo envio da mensagem errada, até a publicação desta reportagem.

Segundo o Vacinômetro, do governo estadual, 1.659,690 pessoas haviam tomado a primeira dose da Coronavac na capital paulista e 762.211 a segunda dose do imunizante, até a das 15h30.
Até a meia-noite desta terça-feira (13), a Secretaria Estadual de Saúde havia identificado mais de 190 mil paulistas, que tomaram a primeira dose da Coronavac, mas que não haviam ainda procurado postos de saúde para concluir a imunização.

A campanha de vacinação contra gripe começou em todo o estado de São Paulo na segunda-feira (12). Segundo a gestão João Doria (PSDB), a ação pretende imunizar, no mínimo, 90% de aproximadamente 18,5 milhões de pessoas.

Nesta primeira fase, que dura até 10 de maio, serão vacinados trabalhadores da saúde, indígenas, gestantes, crianças a partir de seis meses e de até cinco anos completos, totalizando 5,5 milhões de pessoas.

Em 11 de maio, será a vez de pessoas acima de 60 anos, além de professores das redes pública e estadual, somando 7,8 milhões de possíveis imunizados.

A terceira fase, que começa em 9 de junho, o governo pretende atingir 5,1 milhões de pessoas com comorbidades, deficiências físicas e intelectuais, motoristas em geral, agentes das forças armadas, segurança e funcionários do sistema carcerário.

Na capital paulista, segundo a prefeitura, serão 468 pontos de vacinação, funcionando de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, em toda a cidade.