COMPARTILHAR

WASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) – O Brasil ficou de fora da primeira viagem do secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, à América do Sul. O chefe da diplomacia na gestão de Joe Biden viajará a Equador e Colômbia de 19 a 21 de outubro.

Blinken se encontrará com o presidente do Equador, Guillermo Lasso, em Quito, na terça (19). No dia seguinte, vai a Bogotá, para uma reunião com o presidente Iván Duque, e ficará no país até quinta (21).



Na Colômbia, discursará sobre os desafios enfrentados pela democracia na região e iniciará um diálogo de alto nível entre os dois países sobre democracia e direitos humanos que incluirá jovens ativistas.

Blinken também tratará do combate à imigração ilegal, ao narcotráfico e às mudanças climáticas, além de meios para criar oportunidades comerciais e empregos, segundo anúncio do Departamento de Estado.



No cargo desde o início da administração democrata, que tomou posse em janeiro, ele viaja pela primeira vez para a América do Sul. Na América Latina, Blinken já visitou México e Costa Rica.

O governo americano tem mantido certa distância de Jair Bolsonaro. Os dois presidentes ainda não se encontraram desde a posse do democrata, já que o líder brasileiro era próximo de Donald Trump e torceu publicamente pela derrota de Biden nas eleições americanas de 2020.

Bolsonaro foi a Nova York em setembro para participar da Assembleia-Geral da ONU. Mesmo que Biden tenha discursado no evento logo após o brasileiro, regras para barrar o contágio por coronavírus evitaram uma interação. Ainda assim, se houvesse interesse mútuo, ambos poderiam ter marcado uma conversa.

Na semana do encontro na ONU, porém, Blinken se reuniu com o chanceler brasileiro, Carlos França, e pediu ao Brasil que aceitasse receber mais refugiados do Afeganistão e do Haiti. Na ocasião, diplomatas brasileiros ouvidos sob condição de anonimato disseram ter considerado o encontro bastante positivo e que os americanos teriam reconhecido os esforços feitos pelo Brasil na área ambiental.

Antes, em julho, William J. Burns, diretor da CIA, a agência de inteligência dos EUA, fez uma visita oficial a Brasília, onde se encontrou com autoridades do governo, entre os quais Bolsonaro.

Biden sofre pressão de membros de seu partido para se afastar do Brasil, tanto pela questão ambiental quanto pela postura anti-democrática adotada diversas vezes por Bolsonaro. Na quinta-feira (14), um grupo de 64 deputados democratas enviou uma carta a Biden pedindo que o status do Brasil de aliado extra-Otan seja retirado, além de um recuo na relação Brasil-EUA até que um novo líder seja eleito.

O parlamentar democrata Hank Johnson, do estado da Geórgia, e outros legisladores apontaram as tentativas de Bolsonaro de deslegitimar as eleições presidenciais de 2022 e o apoio dele à contestação da vitória de Biden no pleito americano de 2020. "Bolsonaro apoiou as declarações falsas de Trump sobre fraude na eleição e foi um dos últimos líderes globais a reconhecer sua vitória eleitoral, o que põe em dúvida a disposição dele de aceitar os resultados da eleição brasileira em 2022", escreveram.
No fim de setembro, o presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, Bob Menendez, e outros três parlamentares enviaram mensagem a Blinken alertando sobre a deterioração da democracia no Brasil e pedindo que Biden deixasse claro que "qualquer ruptura democrática terá sérias consequências".

Na ocasião, o embaixador do Brasil em Washington, Nestor Forster, disse que o senador estava mal informado. "O dinamismo e a vitalidade das instituições democráticas brasileiras contrastam vivamente com os regimes autoritários do hemisfério, fonte de preocupação para nossos dois governos."