COMPARTILHAR

A Guarda Civil da Espanha prendeu um homem de 64 anos procurado pelas autoridades norte-americanas depois de ter fugido do país quando se encontrava em prisão domiciliária. O criminoso foi preso em 2010 como parte de uma megaoperação contra a pornografia infantil.

O FBI encontrou em sua casa, em Nova York, na ocasião, inúmeros arquivos com conteúdo pornográfico infantil. Após a detenção e enquanto aguardava julgamento, o preso livrou-se da tornozeleira eletrônica que lhe tinha sido colocada preventivamente e conseguiu fugir do país.



Desde 2012, ano em que não compareceu a julgamento, o suspeito tem percorrido Espanha, o Reino Unido e a Alemanha.

A Guarda Civil iniciou a investigação sobre o paradeiro do suspeito em 2018, após receber indicações sobre a sua possível localização na Espanha. Tendo agora conseguido confirmar que o homem trabalhava como professor de inglês em Oviedo, de onde se mudou para Berlim para continuar a ensinar, para depois passar por Londres e regressar a Espanha. O detido tinha escolhido viver em Barcelona há pouco mais de dois meses.



Vivia sozinho num apartamento alugado e, embora não se escondesse, levava uma vida muito simples, que pagava com aulas de inglês online.

Em cada um dos países onde trabalhou foi obrigado a enviar o registo de antecedentes criminal, exigido para funções relacionadas com menores. O que conseguiu sem dificuldade através da alteração da ordem dos seus sobrenomes e ao usar o nome composto. Assim, também conseguiu adquirir a nacionalidade espanhola em 2018.

A fuga terminou em 22 de setembro, quando os guardas civis o detiveram em Barcelona. Depois de ter sido presente a tribunal, o homem admitiu ser o indivíduo reivindicado pelos Estados Unidos e aceitou a extradição para o seu país.