COMPARTILHAR

A polícia moçambicana deteve três pessoas suspeitas de matar um menor de 12 anos com albinismo no distrito de Mecuburi, em Nampula, no norte do país, disse hoje à Lusa fonte da corporação.

Dois dos detidos são tios da criança, um dos quais terá aliciado um amigo do seu sobrinho, com doces, para que o levasse a uma mata.



Chegados ao local, teriam administrado uma substância que deixou a criança "sem sentidos" e de seguida estrangularam-na, levando o corpo "para parte incerta", disse Zacarias Nacute, porta-voz da Polícia da República de Moçambique (PRM).

Segundo o porta-voz, o menor teria desaparecido no dia 07 e os familiares denunciaram o caso às autoridades no dia 16.



"Das investigações feitas foram neutralizados estes três indivíduos, no dia 18, e agora decorrem trabalhos para a localização do corpo da criança porque eles não querem indicar o local onde o enterraram", referiu Zacarias Nacute.

De acordo com a PRM, os suspeitos teriam recebido uma chamada de alguém que lhes terá prometido dinheiro "caso conseguissem ter alguém com problemas de pigmentação da pele".

"Eles são todos confessos e decorrem investigações para localizar o mandante", concluiu o porta-voz.

As pessoas com albinismo têm sido vítimas de perseguições, violência e discriminação devido a mitos e superstições, que incluem o uso de órgãos ou ossadas em rituais, sendo colocadas entre as principais que são alvo de violações de direitos humanos.

Desde 2014, só em Moçambique, pelo menos 114 pessoas com albinismo desapareceram em circunstâncias não esclarecidas, segundo os últimos dados avançados à Lusa pela Comissão Nacional dos Direitos Humanos (CNDH).